segunda-feira, 19 de maio de 2008

Vivam as Eugênias!


Não, não se trata de uma aclamação às mulheres que atendem pelo nome de Eugênia. Refiro-me às deliciosas drupas da família das mirtáceas (a mesma das conhecidas goiaba e jabuticaba) que reúnem muitos apreciadores espalhados por todo o mundo tropical. No site de relacionamentos Orkut, chegam a existir comunidades dedicadas exclusivamente a pelo menos três delas: Eugenia uniflora (pitanga) – a mais famosa de todas, E. pyriformis (uvaia) e E. dysenterica (cagaita).

Eugenia é um gênero de plantas batizado pelo sueco Carlos Lineu (o criador da nomenclatura científica) em homenagem ao Príncipe Eugênio de Savóia (http://en.wikipedia.org/wiki/Prince_Eugene_of_Savoy). Inclui cerca de mil espécies, espalhadas principalmente pelas Américas, com destaque para a do Sul. Muitas são veneradas não somente por seus frutos comestíveis, mas também pelo espetacular efeito ornamental proporcionado pela folhagem densa e floração abundante. Ou até pela excelente madeira, característica que já levou uma delas à quase extinção.

Neste post falaremos brevemente das mais notáveis, citando seus principais atributos, habitat e região de origem:

- Eugenia uniflora: a conhecida pitanga, fruto delicioso que faz a alegria da criançada e dos pássaros; pode ser vermelho, negro ou alaranjado. Amplamente distribuída por todo o Brasil, nas restingas.
- Eugenia dysenterica: cagaita, espécie nativa dos campos cerrados no Planalto Central. É um fruto ovalado, alaranjado, muito perfumado e doce. Se ingerido em quantidade demasiada, pode causar indigestão – daí seus nomes popular e científico.
- Eugenia pyriformis: uvaia, fruta ovalada ou em forma de pera, muito aromática e suculenta, doce ou ácida (conforme a variedade). A casca, finíssima, é recoberta por uma penugem muito agradável, lembrando a de um pêssego. Ocorre em várias regiões do país.
- Eugenia brasiliensis: grumixama, nativa da mata atlântica, de formato arredondado-achatado com sépalas persistentes; de cor negra (a mais comum), amarela ou vermelho-escarlate. Sabor doce sem acidez, muito bom.
- Eugenia involucrata: cereja-do-rio-grande, mais comum na região sul, mas bem adaptada às demais regiões, onde frutifica bem. O fruto é alongado, vermelho-escuro ou mais claro. Existe uma grande variação na acidez e na cor da polpa. Tida como uma das mais saborosas.
- Eugenia luschnathiana: pitomba-da-baía, linda fruta alaranjada, quase redonda, com sépalas persistentes. Ainda é relativamente rara em cultivo. Sabor agridoce, muito gostoso.
- Eugenia neonitida: pitangatuba, nativa das restingas cariocas. Parece uma gigantesca pitanga amarela. Seu sabor, contudo, não tem nada de amargo, e se assemelha ao da uvaia, de agridoce a acidulado. Grande potencial para produção de polpa, é muito mais rica em vitaminas e sais minerais que a pitanga-comum.
- Eugenia klotzschiana: pêra-do-campo, arbusto característico do Cerrado, cujo fruto é relativamente grande e apresenta a forma de uma pêra, com a casca recoberta de pêlos finíssimos.
- Eugenia stipitata: araçá-boi ou rainha-das-eugênias, originário da Amazônia, de dimensões enormes para uma eugênia. Fica maior que uma goiaba. O sabor é parecido com o da uvaia e o da pitangatuba, só que mais ácido. Por esta razão fica excelente em sucos e sorvetes.
- Eugenia candolleana: ameixa-da-mata, cujos frutos são parecidos com o jamelão (Sygygium cumini), só que de sabor bem melhor, sem adstringência (cica). A árvore é muito ornamental pela cor do tronco, vermelho-arroxeada.
- Eugenia multicostata: a raríssima sapiranga, fruta muito gostosa parecendo uma pitanga gigante, que empresta o nome a uma cidade gaúcha. Muito perseguida por sua madeira resistente à umidade, está ameaçada de extinção.
- Eugenia mattosii: pitanguinha-de-mattos, planta de excepcionais atributos para bonsai (folhas grossas, muito brilhantes, brotações avermelhadas, etc.) onde reina absoluta. O frutinho esférico e vermelho, chega a quase 2 cm e é saboroso.
- Eugenia copacabanensis: princesinha-de-copacabana, fruta nativa da Praia de Copacabana no Rio de Janeiro, onde praticamente não mais existe. É amarelo-alaranjada, grande, em forma de pêra e seu suco é doce, embora a textura da polpa seja muito granulosa e um tanto fibrosa. A árvore é muito ornamental, belíssima.

A lista é imensa, existem muitas outras. Vamos parar por aqui para não deixá-lo com mais água na boca. Oportunamente voltaremos ao assunto.

Forte abraço!

P.S. Querendo saber mais sobre eugênias, entre em nossa página (www.e-jardim.com) e digite a palavra "Eugenia" na ferramenta de busca do site.

8 comentários:

carlos disse...

As Eugenias são excelentes alternativas para o corredor e o cantinho das aves, com seus frutos q atraem diversas espécies.
É muito versátil também para jardins de pequeno porte e se adapta bem em vasos para sacadas e espaços com luz solar.
Agora o mais inusitado, foi um bonzai de pitanga de 15 anos q vi em uma exposição, simplesmente fantástico.

Eduardo Jardim disse...

Ótimo comentário, Carlos!
O bonsai de pitangueira (Eugenia uniflora) fica mais bonito com a a variedade anã, de folhas e frutos minúsculos. A pitanga-negra-selvagem (Eugenia sulcata), que igualmente tem frutos pequenos, fica excelente também.
Visite nosso site:

www.e-jardim.com

ColegioIrmas disse...

Ola Eduardo, parabéns pelo Blog, excelente matéria sobre as Eugênias. Eu adoro as Eugênias, principalmente por atrair pássaros. Como sou um admirador de frutos e pássaros, tenho em minha casa(Ainda pequenas)plantadas Pitanga, e Cereja do Rio Grande.

Eduardo Jardim disse...

De fato as eugênias são muito atrativas para os pássaros. Recentemente identificamos uma, de porte arbóreo, nativa da Zona da Mata de MG que fica absolutamente carregada de milhares de frutinhos vermelhos, que fazem a festa dos passarinhos. Claro que produzimos mudas desta espécie!

matasnativas disse...

Ué, cadê o "post" sobre o Araçá-piranga que achei ainda estes dias, com uma foto da fruta?

Vera Falcão disse...

Alguém poderia identificar essa frutinha para mim?
http://cozinhanatureba.blogspot.com/2009/10/voce-conhece-essa-frutinha.html

Achei que fosse jambolão...

Eduardo Jardim disse...

Olá Vera!
A frutinha da foto é a cereja-do-rio-grande (Eugenia involucrata), da qual existem muitas variedades. Uma delas é a "scarlet", que está em nosso site: http://www.e-jardim.com/produto_completo.asp?IDProduto=79
O parentesco com o jambolão (que não é espécie nativa do Brasil) é distante. Abraço!

Blogger vídeos disse...

Grande Eduardo.
Venho mais uma vez pedir um esclarecimento seu.
Há alguns meses plantei um pitangueira num barril de 180Lts, é bastante terra e eu espero que ela se desenvolva bem ali, alias esta indo de vento em popa, porém há algum tempo percebo manchas em suas folhas, segue as imagens.

http://i220.photobucket.com/albums/dd286/bisognini/DSCN0085.jpg

http://i220.photobucket.com/albums/dd286/bisognini/DSCN0086.jpg

Eu tenho uma outra pitangueira há muito anos num outro vazo é daquelas bem miudinhas e com caroço grande mas essa nunca desenvolveu essas machas.
A planta esta indo bem, mas devo me preocupar com isso??? Seriam fungos???
Abraços e muito obrigado.

Roberto