domingo, 24 de maio de 2009

Visões de jabuticaba-branca

Frutos maduros de jabuticaba-branca (Myrciaria aureana), cuja cor situa-se entre o verde e o branco.



Nos dias 18 e 27/01/2009, dedicamos este espaço à rara jabuticaba "que nunca amadurece", ou melhor, cuja casca jamais se torna escura. No post mais antigo, contamos a história de sua descoberta, desde os primeiros registros em tempos imperiais até os dias de hoje. Já no dia 27/01, apresentamos dados de seu habitat natural.
Ficaram faltando as imagens da fruta madura, lacuna agora preenchida. As fotos acima foram tiradas de uma matriz nossa, que frutifica regularmente desde os quatro anos de idade. Clicando nelas, o quadro se amplia, e pode-se perceber melhor como a superfície dos frutos não é lisa, mas com pequenas cristas que ligam o ápice à base das jabuticabas. Em botânica, diz-se que tais frutos são costados.
Há exemplos análogos de costados tênues ou muito pronunciados. Entre os primeiros está o saboroso cambucá (Plinia edulis), e no segundo caso a conhecidíssima pitanga (Eugenia uniflora). Definitivamente, Myrciaria aureana enquadra-se na mesma situação do cambucá.
Alguns livros dizem que a jabuticaba-branca não seria "branca", mas sim "verde". Particularmente, considero esta afirmação um tanto dúbia, pois quando maduras ficam quase brancas, como mostram as poses acima. Uma tonalidade branco-esverdeada talvez.
O sabor desta espécie é bem diferente das demais jabuticabas (aliás, cada uma destas tem seu sabor próprio, característico). A branca possui uma textura muito macia, assemelhando-se a um toque de seda na língua do degustador. Seu gosto é doce, agradabilíssimo e muito refrescante.
E você, nobre leitor, quer provar e deixar sua opinião?
Mais informações em:

7 comentários:

amezzomo2002 disse...

Muito interessante a sua reportagem sobre a famosa jabuticaba branca, hoje, graças a Deus, graças aos esforços de pessoas como você, Helton e outros, já não mais tão rara. Como você já comentou em outro espaço, talvez que a variedade que eu tenho, já produzindo abundantemente com 4 anos de idade, não seja exatamente a Myrciaria aureana, mas uma outra espécie de jabuticaba branca. A minha também tem a característica costata, como se pode ver na foto que aparece em http://picasaweb.google.com.br/lh/view?q=myrciaria%20aureana&uname=Amezzomo2002&psc=G&filter=0#5327644691235938034, embora tal apareça melhor quando os frutos estão jovens, como também acontece na jabuticaba híbrida. A minha, de alguma forma se assemelha à jabuticaba híbrida, pois que é precoce e produz continuamente, isto é, quando uma florada está amadurescendo, já existe uma outra florada desabrochando. Suas semenets são menores que as da jabuticaba híbrida. Quanto a cor dos frutos, sei que está amplamente divulgado que o nome seria jabuticaba branca, o que também o nome científico sugere, mas ela seria, na verdade, uma jabuticaba verde, isto é, que não muda de cor ao amadurescer. O mesmo acontece com a chamada amora branca (Rubus erythrocladus ou imperialis), que na verdade permanece verde mesmo quando madura. Para saber se as minhas jabuticabas estão maduras, há que se apertar os frutos com as mãos e ver se estão macios. Na minha região, os pássaros e insetos atacam muito as jabuticabas pretas, de sorte que se não se fizer alguma proteção, poucos frutos se colhe. Quanto à dita jabuticaba branca, o mesmo não ocorre. Até agora, não vi nenhum fruto danificado por pássaros ou insetos.
Anestor Mezzomo - Florianópolis - SC

Eduardo Jardim disse...

Gostei muito de seu comentário, Anestor. Olhando todas as fotos de sua jabuticaba-branca, há algumas folhas que se assemelham a M. aureana (embora algumas outras, não). Uma característica da espécie é justamente produzir precocemente, e quase ininterruptamente. Por aqui os frutos ficam meio esbranquiçados quando maduros, conforme as fotos do post. Quanto às características em comum com a híbrida, de fato procedem suas observações, e suspeito que a branca seja um dos "pais" daquela. Alguns pesquisadores estão atualmente analisando geneticamente as jabuticabas, o que poderá esclarecer as relações entre M. aureana, M. phitrantha, a "híbrida/precoce", etc. O epíteto "aureana" não se refere à cor, mas sim à coletora do material-tipo, Áurea Bordo.
Um abraço!

Rosangela B disse...

Olá Eduardo!
A jabuticabeira branca é maravilhosa! Linda demais! Seus comentários nos deixam com água na boca! Sem querer ser repetitiva, rs.
Como vc já sabe, amo frutíferas e passar pelo seu blog é um colírio para os olhos! rs.
Parabéns amigo, obrigada pelas informações postadas aqui.
Ah! Eu nunca vi esta espécie pessoalmente, mas para mim, os frutos parecem ser verdes. Opinião de uma pessoa que não possui conhecimento aprofundado neste assunto.

Beijos e tudo de bom.

Eduardo Jardim disse...

Olá Rosangela!
Muito obrigado pela visita e pela opinião, valeu!
Se tiver oportunidade, dá uma olhadinha nos posts antigos, pois há várias ornamentais bonitas e raras como a Vriesea bleheri (bromélia), as árvores-lenços, etc.
Abraços!

Antonio disse...

Tinha tempo que eu não passava aqui. Fantásticas as fotos da jabuticaba branca. É uma pena que a arvoreta do Jardim Botânico do Rio tenha morrido.

Antonio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduardo Jardim disse...

Legal sua visita, Antonio!

Gostaria de convidá-lo a escrever aquele post sobre a lúcuma (Pouteria lucuma), que tanto lhe chamou a atenção em sua recente viagem ao Chile.

Abraços