sábado, 22 de novembro de 2008

As sapucaias do francês

O primeiro paisagista a utilizar espécies da flora brasileira em seus projetos foi o francês Auguste François Marie Glaziou, cuja obra muito admiro.

Nascido na cidade de Lannion, em 1833, logo graduou-se engenheiro civil. Ainda jovem, estudou botânica no Musée d'Histoire Naturelle de Paris. Foi quando, aos 25 anos, foi convidado por ninguém menos que o Imperador D. Pedro II para tornar-se diretor dos Parques e Jardins.

O monarca não poderia ter sido mais feliz em sua escolha. Glaziou permaneceu à frente do cargo até o ano de 1897, sobrevivendo até à Proclamação da República. Durante quase 40 anos emprestou seu enorme talento e impressionante capacidade de trabalho à nossa pátria. Percorreu extensas regiões, sempre coletando e herborizando milhares de espécimes que pudessem ser incluídos em seus projetos. Nessas andanças, descobriu centenas de novas espécies, muitas das quais levam seu nome, como por exemplo a deliciosa cabeludinha (Myrciaria glazioviana).

São de sua autoria os jardins do Palácio Imperial de Petrópolis, do Museu Mariano Procópio em Juiz de Fora, do Jardim da Aclimação em São Paulo, do Passeio Público e do Campo de Santana, ambos no Rio de Janeiro. Sem esquecer de sua mais requintada obra, a Quinta da Boa Vista, então residência oficial da Família Real.

Lá estão plantadas duas aléias paralelas da magnífica Lecythis pisonis, adornando a via que dá acesso ao próprio Palácio. Nos meses de setembro a outubro, a sapucaia-vermelha proporciona um espetáculo inesquecível, recobrindo-se de uma folhagem jovem róseo-avermelhada, praticamente simultânea com a floração. Melhor do que utilizar palavras na vã tentativa de descrever a cena é admirar a imagem que abre este post.

Essa é a única espécie do gênero Lecythis (sapucaia, que na linguagem tupi-guarani significa galinha, em alusão às castanhas dentro do fruto lenhoso arranjadas tais quais ovos em um ninho) que apresenta esse singular fenômeno.

Diziam-me que a sapucaia-vermelha levaria mais de dez anos, 15 a 20 talvez, para frutificar. Duvidando de tal assertiva, em 2001 colhi sementes diretamente das árvores plantadas por Glaziou na Quinta da Boa Vista. Plantei 20 mudas ladeando uma estrada aqui no E-jardim. Fiquei estarrecido quando, em novembro de 2004, apenas três anos após o plantio, uma das sapucaieiras produziu seu primeiro fruto. Hoje esta árvore frutifica fartamente, de tal forma que todas as mudas que produzimos sejam oriundas deste indivíduo precoce.

Vejam a bela foto do fruto lenhoso e sementes em nosso site:
http://www.e-jardim.com/produto_completo.asp?IDProduto=195

Forte abraço!


2 comentários:

marcia disse...

É um espetáculo, principalmente quando plantadas em grupos como na foto!

Eduardo Jardim disse...

Verdade, Márcia!
Foi uma sacada genial do Glaziou este agrupamento das sapucaias.
Abraços