terça-feira, 14 de outubro de 2008

Para não levar gato por lebre...


Em minha página do Orkut, escolhi como avatar a foto de uma fruta silvestre que muito aprecio. Sempre me perguntam qual seu nome. Ou então afirmam: "essa frutinha tem muito lá no sítio", supondo ser a conhecida grumixama (Eugenia brasiliensis). Ledo engano. A espécie que selecionei como ícone é a Eugenia itaguahiensis, também conhecida como grumixama-anã ou grumixama-mirim.

As diferenças mais óbvias entre as duas grumixamas são o porte da árvore (2-4 m contra 8-15 m), as folhas (arredondadas e sem "cabinho" [pecíolo] contra alongadas e com "cabinho") e a precocidade. Sim, esta característica imediatamente separa a forma nanica da agigantada. Enquanto que uma E. brasiliensis pode levar de sete a dez anos para iniciar a produção, com apenas dois ou três anos um exemplar de E. itaguahiensis pode já frutificar.

Minha amiga Dea Conti, de Salto de Pirapora (SP), foi levada pela lábia de um "hábil" viveirista. Ele lhe vendeu, tempos atrás, uma muda de "grumixama-anã". Passaram-se anos. E nada da danada da planta produzir.

Quando me perguntou o motivo, expliquei-lhe as diferenças entre as duas espécies. A Vó maqaqa (apelido pelo qual é carinhosamente conhecida no grupo flores-frutoseCia do Yahoo), com seu habitual bom humor, exclamou: "Dancei! Não é a anã."

Para que outros leitores não levem gato por lebre também, decidi publicar a estória e as imagens da verdadeira grumixama-mirim.

Forte abraço!

10 comentários:

Neide Rigo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Neide Rigo disse...

Põxa, EDUARDO, esta eu não conhecia. A que tenho no sítio é do tipo árvore grande. Do meu vizinho também. Adorei saber. Obrigada pela visita. Adorei seu blog, com tantas informações e tão bem escrito. Lindas fotos.
Um abraço,
Neide

Marcelo disse...

Parece interessante essa Ilama, qto custa a muda?
Há frutas para experimentar? onde?
Cherimóia vcs vendem mudas? frutas cherimoia onde?
Obrigado.
*Estive em Ajapi, conversando com o sr Marco Lacerda, no dia de campo. Sou o Marcelo Oliveira, de Registro-SP (Vale do Ribeira). Obrigado pelas informações.

Eduardo Jardim disse...

Prezada Neide,

Muito obrigado pelo comentário e elogios, que muito nos incentivam!

A grumixama-anã é muito rara na Natureza, ocorrendo apenas em restingas próximas a Itaguaí-RJ. Em cultivo, vem se tornando cada vez mais popular, devido a suas precocidade, tamanho reduzido e ótima adaptabilidade.

Grande abraço!

Eduardo Jardim disse...

Olá Marcelo!

Dê uma passadinha no site do viveiro (www.e-jardim.com) e faça uma consulta sobre a ilama (Annona diversifolia).

Infelizmente não temos mudas de cherimóia, que inclusive não seria recomendada para o Vale do Ribeira, devido ao clima.

Abraços!

Haroldo Junior disse...

Ola Eduardo,

A Muda de Grumixama anã que comprei com você uns 2 ou 3 anos, está plantada em vaso e agora está florescendo. Fiquei muito feliz. Em breve mostrarei fotos para vcs verem e se Deus quiser em breve também mostrarei fotos dos frutos, estou doido para experimentar os frutos.
Se eu quiser plantar as sementes dos futuros frutos, alguma recomendação?

Anônimo disse...

olá eduardo jardim,
gostaria de saber mais sobre a grumixama-ana. gostaria se saber se é possivel cultiva-la em vaso já que moro em uma casa sem terra ; (
tenho curiosidade em saborear esta frutinha q vi apenas fotos...
obrigada
saletedosanjos@hotmail.com

Anônimo disse...

Achei em alguns sites a grumixama-mirim como sendo Eugenia blastantha. Seria outra espécie?

Anônimo disse...

Existem duas espécies que chamam popularmente de grumixama-mirim: Eugenia itaguahiensis e Eugenia blastantha. Gostaria de saber como diferenciar.

Eduardo Jardim disse...

Olá, Anônimo.
Creio que o nome "grumixama-anã" se aplique melhor à Eugenia itaguahiensis, pois frutifica com menor tamanho e mais cedo que E. blastantha. Aliás, temos esta última em nossa coleção, e mesmo depois de três anos no solo nem chegou a florescer ainda.